Publicidade

Esgrima é um esporte olímpico disputado com espada, florete e sabre, que tem como objetivo tocar o adversário com uma dessas armas brancas, de acordo com a modalidade da disputa, sem que haja contato corporal.

Sua origem remonta à pré-história, uma vez que a arte da caça dá indícios do que viriam a se tornar as práticas esportivas.

A esgrima começou a ser disputada nas olimpíadas em 1896, em Atenas, na primeira edição dos jogos olímpicos da era moderna.

Publicidade

HISTÓRIA DA ESGRIMA

Com os registros históricos, a esgrima terá surgido como esporte na Europa no século XVI. Mas a sua prática é muito antiga, afinal a humanidade a utilizou como um meio de sobrevivência para caçar, para combater e se defender do inimigo.

A história da evolução da esgrima se confunde com a da evolução das armas e com as formas de combater. Um pedaço de madeira era uma arma, a qual foi substituído por pedaços de metal, dando lugar aos arqueiros a cavalo, depois homens a cavalo munidos com as suas espadas e armas de fogo.

Na época do feudalismo, a forma de guerrear começou a mudar e com isso, as espadas também sofreram alterações, tornando-se mais fortes e também mais finas nas pontas, que passaram a ser mais utilizadas. Apesar de o estudo da esgrima ter iniciado na Itália, as primeiras escolas de esgrima são francesas.

Com o passar do tempo, os equipamentos utilizados na prática da esgrima evoluíram, sendo acrescentados coletes, luvas e máscaras.

Publicidade

No século XVIII tem início a esgrima moderna e as máscaras cobrem os olhos protegendo-os. Assim, a esgrima assume-se como esportiva, com benefícios mentais e físicos para os seus praticantes, dentre os quais: aumento da acuidade visual, auditiva e tátil, desenvolvimento da agilidade, concentração, desenvolvimento de reflexos e aumento da auto-confiança.

No ano de 1913 foi fundada a Federação Internacional de Esgrima, responsável por organizar a prática e gestão do esporte a nível internacional.

No Brasil, a prática da esgrima data do período imperial, graças a Dom Pedro II. As tropas faziam uso dela, motivo pelo qual foi introduzida nos cursos da Escola Militar em 1858.

Depois disso, em 1906 surge o Curso de Formação em Ginástica que com a criação do Centro Militar de Educação Física, o mestre d’arma francês Lucien de Merignac é incentivado a vir para o Brasil.

O Mestre Gauthier é outro francês contratado pelo exército Brasileiro para ensinar esgrima aos seus militares. Com o apoio do Exército e da Marinha, em 1927, surge a União Brasileira de Esgrima. A primeira participação do Brasil com esgrima nos jogos olímpicos ocorreu em 1936.

Publicidade

EQUIPAMENTOS DE ESGRIMA

Espada: com 0,90 m e 770 g, é a arma mais pesada. Na esgrima de espada, a espada pode tocar qualquer parte do corpo e, ao contrário das outras modalidades, os toques simultâneos dos adversários são permitidos. Era a arma utilizada entre o fim do século XIX e início do século XX.

Florete: Com 0,90 e 500 g é uma arma sem ponta, considerada a mais difícil da esgrima. Leve, ela exige movimentos elegantes. Com o florete, apenas o tronco pode ser tocado com a ponta da espada. Era a arma utilizada no século XVIII.

Sabre: com 0,88 e 500 g, é a arma mais pequena utilizada na esgrima. Com ela, é permitido tocar o adversário com a ponta ou com a lateral da lâmina a espada e o florete tocam apenas com a ponta. No sabre de esgrima, a arma pode tocar cabeça, tronco, ombros, braços e antebraços.

AS REGRAS DA ESGRIMA

A esgrima é disputada em uma pista que mede 14 x 2 m e tem duas fases: classificatória e eliminatória. Na classificatória, os combates são feitos entre todos os atletas até que alguém consiga marcar cinco pontos. Na fase seguinte, a disputa é feita num intervalo de três saltos de três minutos cada. A cada salto, há uma pausa de 1 minuto. Ganha a disputa o esgrimista que tiver mais pontos, num total de 15. Os pontos são computados de forma eletrônica.

Isso acontece porque a roupa dos esgrimistas tem sensores. Antes de ser adotada essa forma, as armas traziam vestígios de giz que marcavam a roupa do adversário, o que dificultava a votação feita pelos juízes. O objetivo é atingir o tronco do esgrimista adversário com a ponta do florete. No caso da espada, a sua ponta pode atingir qualquer parte do corpo. Enquanto isso, a ponta do sabre e mais ⅓ da arma que é medida a partir da ponta, pode atingir a cintura ou a região em torno dela.